Descobertos dois novos corpos de vítimas do Vesúvio em Pompeia

Cientistas descobriram que uma das vítimas era rica e estava perto de sua propriedade, acompanhada por um jovem escravo

Corpos Encontrados em Pompeia

O sítio arqueológico de Pompeia, na Itália, continua a surpreender com suas vítimas da erupção do vulcão Vesúvio em 79 d.C. (Foto: ANSA/Reprodução)

Arqueólogos italianos encontraram em Pompeia, na Itália, cidade famosa por ter sido destruída pelo vulcão Vesúvio em 79 d.C., os corpos de dois homens, um de 40 anos vestindo um manto de lã quente, e seu jovem escravo, com cerca de 18 anos e coluna encurvada pelo trabalho do dia a dia.

Segundo informação da agência italiana de notícias ANSA, a escavação no sítio arqueológico de Pompeia se manteve mesmo durante a pandemia de covid-19.

“Um achado verdadeiramente excepcional”, comenta Massimo Osanna, diretor-geral dos museus públicos da cidade italiana, citado pela agência.

Os corpos receberam a mesma técnica de mais de 150 anos, criada pelo arqueólogo italiano Giuseppe Fiorelli em 1863, e não foi possível apenas fazer os moldes das vítimas, mas também investigar e documentar com as novas tecnologias tudo que foi preservado junto com eles quando foram mortos pelos vapores ferventes da erupção do Vesúvio.

“É um enigma que ainda está parcialmente sem solução. Porque provavelmente serão necessários meses de escavações para nos dizer para onde os dois homens se dirigiam e, quem sabe, talvez também para esclarecer quais eram seus papéis na residência grandiosa e lindamente decorada onde foram encontrados”, afirma Osanna à ANSA.

Os dois moradores da antiga Pompeia foram encontrados em Civita Giuliana, luxuosa propriedade da era do imperador Augusto (27 a.C. a 14 d.C.), com grandes quartos e terraços com esplêndidas vistas para o mar em cujos estábulos, em 2017, arqueólogos encontraram os restos de três cavalos puro-sangue, um deles até equipado com uma sela refinada de madeira e bronze e tachas brilhantes, como se tivesse sido preparada para a partida iminente de seu dono.

Após esse achado nos estábulos, desde janeiro de 2020 tem havido escavações sob o criptopórtico muito comprido, construído sob um dos grandes terraços. “Tivemos sorte, porque a área onde encontramos os corpos dos dois homens havia escapado às escavações no início do século XX e aos invasores de tumbas”, conta Massimo Osanna à agência de notícias.

Estudos preliminares indicam que os dois homens morreram no segundo dia da erupção do Vesúvio, na manhã de 25 de outubro daquele fatídico 79 d.C. Mas ainda não se sabe as identidades e o histórico desses moradores.

“Quem sabe o homem de capa e o escravo que estava com ele estivessem tentando alcançar o resto da família depois de terem vigiado a propriedade por fora até o último segundo. O mistério ainda está aberto, por enquanto. Agora é fundamental continuar as escavações”, afirma o diretor dos museus de Pompeia à ANSA.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.