Apesar do enxaguante e do creme dental da Colgate matarem o coronavírus, eles não evitam a covid-19

Os produtos de higiene bucal eliminam apenas momentaneamente o SARS-CoV-2 da boca, mas o vírus continua presente no trato respiratório e até nas cordas vocais

Escova de dente - Pixabay

Escovar os dentes e usar enxaguante bucal são formas de prevenir bactérias e vírus na boca, mas não impedem a infecção pelo novo coronavírus (Foto: Pixabay)

Em comunicado enviado à imprensa, citado pelo site americano Business Wire, a Colgate-Palmolive informa que seus cremes dentais Colgate Total e Meridol seriam capazes de matar 99,9% do novo coronavírus (SARS-CoV-2) após dois minutos de contato.

Os enxaguantes bucais Colgate Plax e Colgate Total seriam igualmente eficazes após 30 segundos de uso. Os estudos, concluídos em outubro deste ano, foram conduzidos em parceria com o Instituto de Pesquisa em Saúde Pública da Escola de Medicina Rutgers de Nova Jérsei, nos Estados Unidos.

“Estamos nos estágios iniciais de nossas investigações clínicas, mas nossos resultados laboratoriais e clínicos preliminares são muito promissores. Embora escovar e enxaguar não sejam um tratamento ou uma forma de proteger totalmente um indivíduo da infecção, podem ajudar a reduzir a transmissão e retardar a propagação do vírus, complementando o benefício que obtemos com o uso de máscaras, distanciamento social e lavagem frequente das mãos”, diz Maria Ryan, diretora clínica da Colgate-Palmolive nos EUA, citada pelo Business Wire.

Enxaguantes bucais não fazem milagre

Apesar dessa pesquisa realizada a pedido da gigante do setor de higiene e cuidados pessoais, especialistas ouvidos pela emissora americana CNN, nenhum dos estudos divulgados recentemente mostra que enxaguantes bucais ou cremes dentais podem reduzir o risco de pegar ou transmitir o SARS-CoV-2.

Ao invadir o corpo humano, o coronavírus logo começa a se replicar constantemente no trato respiratório (nariz, seios da face, garganta, brônquios e pulmões).

“Ele permanece no nariz, no fluido das cordas vocais e nas vias respiratórias do pulmão. Em especial as cordas vocais e as vias pulmonares são as principais fontes de transmissão do vírus no ar”, comenta o especialista em vírus Donald Milton, da Universidade de Maryland (EUA), em conversa com a CNN.

Portanto, como mostram os especialistas ouvidos pela emissora, os produtos destinados à higiene bucal são capazes apenas de eliminar momentaneamente o causador da covid-19 da boca, sendo incapazes de prevenir a infecção ou evitar que o vírus presente em outras partes do corpo sejam expelidos e contaminem outras pessoas.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.