X

Thank you for trying AMP!

We have no ad to show to you!

Saiba quais azeites foram reprovados pelo Ministério da Agricultura

O azeite Torezani Premium está entre as 9 marcas consideradas falsas pelo Ministério da Agricultura (Foto: Facebook/azeitetorezani/Reprodução)

Em comunicado divulgado em seu site na última terça (17/11), o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) proibiu a comercialização de nove marcas de azeite consideradas fraudes que falsamente eram designadas como contendo azeite de oliva extra virgem. Ao todo, nove marcas devem ser retiradas dos mercados.

“A ação do Mapa decorre da investigação realizada pela Polícia Civil do Espírito Santo, por meio da Delegacia de Defesa do Consumidor, que desarticulou, na última semana, uma organização criminosa especializada na falsificação de azeites”, informa o ministério em seu site.

A operação intitulada Havana foi realizada no dia 11 e cumpriu cinco mandados de busca e apreensão e um mandado de prisão em três residências e duas empresas, localizadas nos municípios de Vila Velha e Cariacica.

A investigação da polícia capixaba revelou que os produtos vendidos como azeite eram, na verdade, óleo de soja.

Abaixo, confira as nove marcas investigadas pelo Mapa, que usariam rótulos falsos:

  • Casalberto
  • Conde de Torres
  • Donana (Premium)
  • Flor de Espanha
  • La Valenciana
  • Porto Valência
  • Serra das Oliveiras
  • Serra de Montejunto
  • Torezani (Premium)

De acordo com o Ministério da Agricultura, os falsificadores criavam as marcas, supostamente importadas, e as colocavam para venda em todo o território nacional.

“O ministério orienta que os estabelecimentos que tenham as marcas de azeites de oliva sob suspeita de fraudes em estoque ou expostos à venda que informem imediatamente, junto às Superintendências Federais de Agricultura nos estados, o volume de produto e o plano de destruição da mercadoria junto à empresa habilitada por órgão estadual de meio ambiente ou recicladora de óleos e embalagens”, diz o Mapa no comunicado da última terça (17/11).

Ainda segundo o ministério, quem descumprir a decisão de proibição da venda poderá ser multado, além de ser denunciado ao Ministério Público Federal para eventual responsabilização civil e criminal. Além disso, o responsável pelo estabelecimento constará de boletim de ocorrência da Polícia Civil.

Categories: Alimentação
João Paulo Martins:

Thank you for trying AMP!

We have no ad to show to you!