Cão da raça dogo argentino ataca e mata criança de 2 anos

O ataque que terminou com a morte da menina foi registrado no último domingo (1º/11) na província de La Plata, na Argentina

Dogo Argentino - Pixabay

Dogo argentino foi criado a partir de várias raças, incluindo mastiff e pointer (Foto: Pixabay)

Uma menina de 2 anos morreu após ser agredida no último domingo (1º/11) por um cachorro da raça dogo argentino numa casa que fica na cidade de Ensenada, na província de La Plata, na Argentina.

Para quem não sabe, o dogo argentino é uma mistura de cães de várias caça, como boxer, pointer e mastiff.

Segundo informações do jornal argentino La Nación, após o ataque do cão, a criança foi levada pelos pais para o hospital Rossi daquela cidade, mas, devido à gravidade dos ferimentos, foi encaminhada para o Hospital de Niños de La Plata, onde acabou falecendo poucos minutos após ser internada.

Ainda de acordo com o periódico, a menina sofreu graves ferimentos no rosto e no pescoço causados pelo animal que pertencia à família da vítima.

O La Nación informa que as autoridades já estão investigando como o cachorro conseguiu ter acesso à criança de 2 anos.

Por que os cães atacam os pequenos?

Devido à sua constituição física, crianças de 5 a 9 anos estão incluídas no grupo que sofre as lesões mais graves de cachorros. Em muitos casos, os aninais atacam os pequenos em espaços abertos, mas também ocorrem acidentes dentro de casa.

Pitbulls e cães de outras raças estão entre os mais perigosos e que causam os maiores danos, de acordo com especialistas do Centro Médico Wexner, nos Estados Unidos, que realizaram um estudo em 2019 que avaliou 15 anos de casos de trauma facial em crianças atendidas pelo hospital Nationwide Children’s da Universidade da Virgínia (EUA).

Os motivos que levam um cachorro a atacar uma criança podem variar e dependem muito do comportamento tanto da raça quanto dos donos dos animais. Normalmente, eles reagem a situações que interpretam como ataque, mesmo que não seja a intenção das vítimas.

A maioria das agressões a crianças dentro de casa ocorre quando o cão está descansando. “Idealmente, o cão deve ter um espaço longe de ambientes onde as crianças correm e brincam”, afirma Meghan Herron, professora da Escola de Medicina Veterinária da Universidade Estadual de Ohio (EUA), uma das autoras do estudo de 2019, citada pelo La Nación.

Entre as dicas dos especialistas para evitar ataques, é preciso estabelecer barreiras físicas para evitar que os cachorros possam reagir a movimentos imprevisíveis do bebê ou da criança.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.