Cuidado com o excesso de vitamina D

A ingestão de suplementos de colecalciferol (D3) pode representar uma dose 10 vezes maior que a recomendada pela Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos

Cápsula de vitamina D - Pexels

Apesar de rara, a superdosagem de vitamina D pode causar inúmeros problemas, incluindo insuficiência renal (Foto: Pexels)

Como se sabe, a vitamina D (colecalciferol) é sintetizada pelo corpo humano após a exposição à luz solar. Em comparação com a aquisição natural desse nutriente, o consumo por meio dos alimentos representa uma proporção relativamente pequena do suprimento da vitamina.

Embora a hipervitaminose resultante da produção do próprio corpo não seja possível, certamente pode ocorrer caso a pessoa consuma altas doses do nutriente em forma de suplemento.

Como mostra um estudo realizado pelo Instituto Federal de Avaliação de Risco da Alemanha e publicado no final de julho no site da instituição, a superdosagem de colecalciferol pode causar níveis elevados de cálcio no sangue (hipercalcemia).

Os sintomas clínicos associados à hipercalcemia em humanos variam de fadiga e fraqueza muscular a vômitos e constipação, e podem até causar arritmias cardíacas e calcificação dos vasos sanguíneos. Se não for tradado, o problema pode gerar cálculos renais, calcificação renal e, em última instância, perda da função dos rins.

Mesmo sem exposição ao Sol, um consumo diário de 20 μg (microgramas) ou 0,02 mg de vitamina D3 é adequado para atender às necessidades do organismo para a grande maioria (97,5%) da população, explicam os cientistas alemães.

A Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos definiu como nível máximo tolerável de ingestão desse nutriente de 100 μg (0,1 mg). Este valor se refere à ingestão de colecalciferol de todas as fontes, incluindo a ingestão de suplementos e de alimentos fortificados com vitamina D.

De acordo com o estudo do Instituto Federal de Avaliação de Risco da Alemanha, o consumo diário de 50 μg (0,05 mg) ou 100 μg não é necessário. Por outro lado, a instituição alemã considera improvável que prejuízos para a saúde resultem do consumo ocasional dessas doses.

O problema surge quando há alta ingestão diária por um longo período de tempo.

Vale dizer que muitos suplementos de colecalciferol são comercializados com concentrações a partir de 1.000 UI (1 mg), o que está muito acima do recomendado pela Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos.

Os pesquisadores alemães observam que, dado um período adequado de tempo ao ar livre com a correspondente exposição da pele à luz solar, além de uma dieta balanceada, o suprimento adequado de vitamina D pode ser obtido por indivíduos sem a necessidade de tomar suplementos.

De qualquer forma, é preciso buscar orientação médica antes de ingerir vitaminas, minerais ou qualquer outra substância como forma de complementação.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.