Ibuprofeno, diclofenaco, dipirona e Aspirina não devem ser tomados por grávidas

Food and Drug Administration dos Estados Unidos alerta sobre o efeito dos anti-inflamatórios não-esteroides na redução do líquido amniótico após 20 semanas de gestação

Remédios variados - Pixabay

Gestantes devem evitar ingerir anti-inflamatórios não-esteroides para dor e febre (Foto: Pixabay)

Alguns dos medicamentos muito usados no combate à dor e à febre podem ser prejudiciais para bebês em gestação, alerta a Food and Drug Administration (FDA), dos Estados Unidos, espécie de Vigilância Sanitária, em comunicado divulgado na última quinta (15/10).

A FDA está exigindo mudanças nas bulas dos anti-inflamatórios não-esteroides para que expliquem que se grávidas tomarem esses remédios a partir de 20 semanas de gestação, eles podem causar problemas renais no feto.

Entre os medicamentos perigosos estão muitos vendidos sem receita, como ibuprofeno, naproxeno, diclofenaco, dipirona e ácido acetilsalicílico (Aspirina) acima de 81 mg.

A “Vigilância Sanitária” dos EUA lembra que esses remédios funcionam bloqueando a produção da substância química prostaglandina no corpo, que é conhecida por causar inflamação.

Perigo para os bebês

Problemas renais em fetos podem levar a sérias complicações na gravidez, pois os rins são responsáveis pela produção do líquido amniótico, que serve de proteção para o bebê dentro da placenta.

Os fetos produzem a maior parte do líquido amniótico a partir da 20ª semana de gestação, e os rins danificados por anti-inflamatórios não-esteroides podem resultar na menor proteção do bebê dentro do útero da mãe.

Segundo a obstetra e ginecologista Jennifer Wu, do Hospital Lenox Hill, de Nova Iorque (EUA), em entrevista para o jornal USA Today, baixos níveis de líquido amniótico também podem causar problemas no desenvolvimento do bebê.

“Quando você está grávida, seu bebê é exposto a todos os medicamentos que você está tomando. Portanto, precisa ter cuidado e verificar com o médico antes de ingerir qualquer remédio, incluindo os de venda livre”, alerta a especialista ao periódico.

Como mostra a Food and Drug Administration no comunicado de quinta (15/10), os médicos podem detectar a redução no nível do líquido amniótico dois dias após a grávida tomar o anti-inflamatório. Porém, os níveis geralmente voltam ao normal assim que é interrompida a medicação.

A FDA recomenda que as gestantes evitem esses medicamentos após 20 semanas e optem por outro remédio para tratar dor e febre durante a gravidez, como o acetaminofeno – sempre evite a automedicação e procure orientação do médico.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.