Microbiota intestinal está associada à memória recente, diz estudo

Pesquisa realizada com obesos mostra que a falta de certos nutrientes gerados por bactérias do intestino levam a problemas na memória imediata e recente

Desenho de Mulher Obesa

Obesidade pode afetar as colônias de bactérias do intestino e, consequentemente, diminuir a capacidade da memória recente (Foto: Pixabay)

Estudos, como o publicado em 2015 no jornal científico PMC, já mostraram que a obesidade está associada ao comprometimento da memória recente. Agora, uma equipe de pesquisadores espanhóis descobriu que essa memória está relacionada à microbiota intestinal.

Na pesquisa, disponibilizada no início de outubro na revista científica Cell Metabolism, 130 pessoas obesas ou não foram analisadas quanto aos metabólitos (moléculas originadas pelo metabolismo) do sangue e à microbiota (colônia de bactérias) do intestino.

Os cientistas do Instituto de Pesquisa Biomédica de Girona, na Espanha, também realizaram testes cognitivos e o volume de certas áreas do cérebro envolvidas na memória (hipocampo e córtex pré-frontal) foi medido com imagens de ressonância magnética.

Associação com a obesidade

Como mostra o estudo, o triptofano, aminoácido essencial para a “síntese” de neurotransmissores, é encontrado na corrente sanguínea em condições normais.

Porém, pessoas com obesidade mórbida, que apresentavam problemas com a memória recente, também tinham menos triptofano no sangue.

Já a produção de algumas vitaminas depende da microbiota intestinal e, de acordo com a pesquisa, obesos tinham certas bactérias que metabolizam vitamina B1 em paralelo com a diminuição da memória imediata e recente.

Além disso, as pessoas com obesidade tinham hipocampo menor (área relacionada à memória). O tamanho dessa região do cérebro está associado à presença de certas bactérias na microbiota intestinal, afirmam os cientistas espanhóis.

Testes em animais

Os pesquisadores também fizeram testes com cobaias, que receberam transplante fecal dos voluntários para avaliar como a presença de certas bactérias intestinais afeta a memória recente dos roedores.

O resultado mostra que o transplante de bactérias presentes em pacientes com obesidade mórbida também reduz a memória das cobaias.

Como a dieta está associada à presença de certas bactérias no intestino, os resultados do estudo recém-publicado podem facilitar o desenvolvimento de planos alimentares individualizados para melhorar o desempenho cognitivo e a memória.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.