Saiba mais sobre a ornitofobia, medo de aves como do peão Lipe Ribeiro, da Fazenda

O participante do reality show da Record explicou para os colegas que tem medo das aves e conseguiu até ser afastado do trato com esses animais

Vários periquitos - Pixabay

O medo de aves é chamado na psicologia de ornitofobia e pode causar até ataque de pânico (Foto: Pixabay)

Depois de se tornar fazendeira no reality show A Fazenda, da Record, na última quarta (7/10), a atriz Luiza Ambiel permitiu que o empresário e colega de confinamento Lipe Ribeiro não cuidasse das aves, já que ele diz sofrer de ornitofobia.

Esse termo se refere a pessoas que têm medo intenso e irracional de pássaros. Na presença de uma ave, a pessoa reage de forma fisiológica e mesmo mental, apresentando ansiedade que pode virar “ataque de pânico”, segundo artigo publicado pela ONG francesa Sainte Anastasie, especializada em psicologia humana.

Essa fobia se encontra no mesmo espectro de outras que são consideradas específicas, como claustrofobia (medo de lugares apertados), acrofobia (medo de altura) e hematofobia (pavor de sangue, injeção ou feridas).

Sintomas mais comuns

Como mostra a ONG, além de apresentar reação de medo intenso na presença ou mesmo antecipação do estímulo, a pessoa vítima da ornitofobia pode sofrer com sintomas mais graves de ansiedade, incluindo ataque de pânico.

“Crises de ansiedade são breves períodos de medo e desconforto que geralmente começam abruptamente. Eles são caracterizados por sintomas fisiológicos e cognitivos. Estes últimos incluem o medo de morrer e a perda de controle”, explica a Sainte Anastasie.

Fisicamente, a vítima do medo de aves pode ter palpitação, suor, vertigem, náusea, tremor e dificuldade de respirar.

As galinhas podem ser ativadoras do pavor por aves em quem sofre de ornitofobia (Foto: Pixabay)

Inclui todas as aves?

Essa fobia pode estar relacionada a uma única espécie de ave, como as pessoas que têm medo de galinhas; a vários animais do mesmo tipo; ou ser mais específica e temer aves predatórias, como águias, ou espécies muito menores e inofensivas, como passarinhos.

“Pessoas com fobias do tipo animal tendem a ter especialmente medo de movimentos, especialmente quando são repentinas. Assim, no caso da ornitofobia, sentimentos de intensa ansiedade podem surgir se um pombo voar de repente, ou pior, um bando inteiro levanta voo”, diz o artigo da ONG especializada.

Embora, em alguns casos, a pessoa ache que sofrerá danos dos animais, a entidade francesa esclarece que em muitos casos a vítima da fobia simplesmente tem medo de ser ridicularizada ou sofrer problemas físicos devido à ansiedade. “É possível que sentimentos de nojo apareçam além da ansiedade, mas isso é mais comum em outras fobias de animais, especialmente as relacionadas a insetos”.

Causas da ornitofobia

De acordo a Sainte Anastasie, cerca de 90% das fobias do tipo animal começam na infância, especificamente antes dos 12 anos e afeta mais as mulheres.

“A maioria das fobias se desenvolve devido à experiência de uma ou mais situações traumáticas. No caso da ornitofobia, eventos como ser bicada por um pato ou um ganso são exemplos típicos dos contextos em que esses medos tendem a aparecer”, diz a ONG.

No entanto, nem todas as fobias são adquiridas diretamente: às vezes, os medos aparecem observando ou ouvindo as experiências dos outros. Por exemplo, uma jovem poderia desenvolver ornitofobia depois de ver o clássico filme Os Pássaros (1963), de Alfred Hitchcock, em que corvos começam a atacar as pessoas.

Conheça outras fobias de animais:

  • Medo de cães: cinonofobia
  • Medo de gatos: elurofobia
  • Medo de ratos e outros roedores: musofobia
  • Medo de insetos: entomofobia, inclui medo de abelhas (apifobia), baratas (catsaridafobia) e traças (motefobia)
  • Medo de aranhas: aracnofobia
  • Medo de cobras: ofidiofobia
  • Medo de rãs, sapos e outros anfíbios: bufonofobia
  • Medo de vermes: vermifobia

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.