Remédio para diabetes pode retardar demência, diz estudo

A pesquisa avaliou os efeitos do metformina, indicado para controlar a taxa de açúcar no sangue, na capacidade de adiar o declínio cognitivo

Metformina - Unic Pharma

Metformina é muito usado nos EUA no controle do diabetes tipo 2 e pode ajudar também no adiamento da demência, segundo estudo recente (Foto: Unic Pharma/Reprodução)

Uma estudo publicado na revista científica Diabetes Care na última quarta (23/9) mostra que idosos com diabetes que usam um medicamento chamado metformina apresentam taxas mais lentas de declínio cognitivo e demência.

A metformina é um dos medicamentos mais prescritos nos Estados Unidos. É usado principalmente para controlar os níveis de açúcar no sangue em pacientes com diabetes tipo 2.

O remédio é considerado um agente geroprotetor, ou seja, que ajuda a estender a vida útil do organismo.

Entenda a pesquisa

O estudo recém-publicado analisou dados de uma pesquisa denominada Sydney Memory and Aging Study, da Austrália, que começou em 2005 e está acompanhando mais de mil adultos com idades entre 70 e 90 anos.

O objetivo desse levantamento australiano é investigar os efeitos do envelhecimento na cognição. Nenhum membro da coorte apresentava sinais de demência no início do estudo.

Dos 1.037 indivíduos analisados, 123 tinham diabetes, dos quais cerca de metade estava tomando metformina.

Após seis anos de acompanhamento, os cientistas descobriram que os diabéticos que tomavam esse medicamento mostraram taxas significativamente mais lentas de declínio cognitivo em comparação com os demais diabéticos.

Trata diabetes e demência

“Nós revelamos o potencial de um remédio seguro e muito utilizado, que pode mudar a vida de pacientes em risco de demência. Para quem tem diabetes tipo 2, a metformina, além de reduzir a glicose, traz benefício para a saúde cognitiva”, diz a pesquisadora Katherine Samaras, uma das autoras do estudo, citada pelo site New Atlas.

A grande questão é saber como a metformina pode retardar o declínio cognitivo e se esse benefício também pode ser gerado em pessoas saudáveis em diabetes.

“Embora um estudo observacional não forneça ‘prova conclusiva’ de que a metformina é protetora contra a demência, ele nos encoraja a estudar este e outros antidiabéticos na prevenção do declínio cognitivo”, comenta o pesquisador Perminder Sachdev, outro autor da pesquisa, também citado pelo site.

Ele alerta que o trabalho atual está em andamento e que estão planejando um grande ensaio de controle randomizado para avaliar o efeito da metformina em indivíduos não diabéticos com risco de demência.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.