Fruta-pão pode ser o alimento do futuro

Estudo canadense mostra que a fruta típica de países tropicais é rica em proteínas e fibras e não causa problemas se adicionada à dieta

Fruta pão - Pixabay

A farinha feita da fruta-pão pode ser uma ótima substituta do trigo, que possui glúten e causa intolerância em muitas pessoas (Foto: Pixabay)

Muito comum nas ruas de cidades brasileiras, a fruta-pão ainda é pouco conhecida, apesar de ser consumida em países asiáticos e trazer benefícios para a saúde, segundo estudo realizado pela Universidade da Colúmbia Britânica, no Canadá.

A fruta pode ser comida madura ou pode ser seca e moída em forma de farinha para enriquecer algumas refeições.

“A fruta-pão é um alimento tradicional das ilhas do Pacífico com potencial para melhorar a segurança alimentar mundial e mitigar o diabetes. Embora as pessoas tenham sobrevivido por milhares de anos comendo a fruta, faltava o conhecimento científico sobre os impactos de uma dieta à base de fruta-pão na saúde de humanos e animais”, esclarece a pesquisadora Susan Murch, um das autoras do estudo publicado em julho no periódico científico PLOS One, citado pelo site Phy.org.

Pesquisa com a farinha da fruta-pão

Os cientistas canadenses usaram frutas-pão do Havaí que foram transformadas em farinha.

“Estudos detalhados e sistemáticos dos impactos de uma dieta de fruta-pão na saúde não haviam sido realizados anteriormente e queríamos contribuir para o desenvolvimento dessa planta sustentável, ecologicamente correta e de alta produção”, comenta Ying Liu, co-autor do estudo, também citado pelo site científico.

Os poucos estudos feitos até hoje sobre a fruta apenas examinaram o índice glicêmico dela, que é considerado baixo, comparável a alimentos como trigo, mandioca, inhame e batata.

“O objetivo do nosso estudo foi determinar se uma dieta contendo farinha de fruta-pão apresenta algum problema sério de saúde”, explica Liu.

Testes em cobaias

A pesquisa da Universidade da Colúmbia Britânica desenvolveu uma série de testes usando farinha de frutas-pão desidratadas, para obter dados sobre os impactos da dieta à base desse alimento, que foi fornecido a cobaias e também usado num modelo de digestão enzimática.

As descobertas mostram que a proteína da fruta-pão foi considerada mais fácil de digerir do que a do trigo no modelo de digestão enzimática. E os ratos alimentados com ela tiveram uma taxa de crescimento e peso corporal significativamente maiores do que os que receberam a dieta padrão (com trigo).

Segundo Ying Liu, citado pelo Phys.org, as cobaias que comeram fruta-pão também ingeriram diariamente mais água do que os ratos na dieta de trigo. E no final de três semanas, a composição corporal foi semelhante entre os ratos alimentados com fruta-pão e trigo.

“Como o primeiro estudo completo da dieta de fruta-pão, nossos dados mostram que ela não impõe nenhum impacto tóxico. A compreensão fundamental do impacto na saúde da digestão e das dietas da fruta-pão é necessária e imperativa para o estabelecimento desse alimento como uma opção básica ou funcional no futuro”, diz o pesquisador.

A fruta é nutritiva e sustentável. Liu sugere que se uma pessoa comer fruta-pão cozida, pode receber quase 57% da necessidade diária de fibras, mais de 34% de proteína e, ao mesmo tempo, consumir vitamina C, potássio, ferro, cálcio e fósforo.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.