ESA e Nasa se unem na defesa da Terra contra grandes asteroides

As duas agências espaciais associaram seus programas de interceptação de asteroides para entender se poderemos desviá-los de uma possível colisão com a Terra

Asteroides binários

Nave da ESA deve alcançar os asteroides Didymos e Dimorphos até o fim do ano de 2026 (Foto: Nasa/JPL/JHUAP/Divulgação)

Em comunicado divulgado na terça (15/9), a Agência Espacial Europeia (ESA na sigla em inglês) informa a assinatura de um contrato de 129,4 milhões de euros (cerca de R$ 800,9 milhões) com a empresa aerespacial alemã OHB para construir a espaçonave Hera que interceptará asteroides.

Com lançamento previsto para outubro de 2024, Hera deve alcançar os asteroides binários Didymos e Dimorphos até o final de 2026 para um estudo mínimo de seis meses.

Essa será a segunda tentativa da ESA de enviar uma missão de defesa planetária para interceptar uma rocha espacial – até 2016 havia o programa chamado Missão de Impacto de Asteroide, que foi cancelado por falta de financiamento.

Parceria com a Nasa

De acordo com a agência europeia, a espaçonave seguirá o projeto Teste de Redirecionamento de Asteroide Duplo (DART na sigla em inglês) da Administração Nacional da Aeronáutica e Espaço (Nasa), programado para ser lançado em julho de 2021.

O DART usará um foguete Falcon 9 da Space X – empresa do bilionário sul-africano Elon Musk. Ele deve colidir com o menor dos dois asteroides, Dimorphos, em setembro de 2022, para testar uma técnica de desvio para rochas em rota de colisão com a Terra.

Enquanto o programa da Nasa levará um satélite cubo (cubosat) que será liberado antes da colisão para conduzir testes pós-impacto, Hera fornecerá uma avaliação mais completa, com dois cubosats, para determinar o quanto as órbitas dos asteroides mudaram, de acordo com o comunicado da ESA.

“A espaçonave deve converter os resultados do DART num experimento em grande escala usando técnica de deflexão de asteroide bem compreendida e repetível”, diz a agência europeia.

Segundo a ESA, cerca de 15% dos asteroides conhecidos estão em órbitas binárias. No caso do alvo dos projetos DART e Hera, Dimorphos mede 160 m de diâmetro (aproximadamente o tamanho da Grande Pirâmide de Gizé), enquanto Didymos é bem maior, chegando a 780 m de largura, similar a uma montanha.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.