Dormir bem pode retardar a demência, diz estudo

O sono profundo restaurador evita o acúmulo de proteínas tóxicas no cérebro, responsáveis pelo surgimento do Mal de Alzheimer

Imagem de Idoso para Matéria de Demência

Uma boa noite de sono pode retardar o aparecimento da demência, principal sinal do Mal de Alzheimer (Foto: Pexels)

Sabia que dormir corretamente pode atrasar o início da demência, segundo conclusões de um novo estudo?

De acordo com os pesquisadores da Universidade da Califórnia em Berkeley, nos Estados Unidos, o sono profundo restaurador retarda o acúmulo no cérebro de uma proteína tóxica, conhecida como beta-amiloide, que está associada ao Mal de Alzheimer.

“O sono que você tem é quase como uma bola de cristal dizendo quando e com que rapidez a patologia de Alzheimer se desenvolverá em seu cérebro. O órgão se ‘limpa sozinho’ durante o sono profundo e, portanto, pode haver a chance de regredir os efeitos dormindo mais cedo”, comenta o pesquisador Matthew Walker, um dos autores do estudo, citado pelo tabloide britânico The Sun.

Na pesquisa, publicada no início de setembro na revista científica Current Biology, os cientistas foram capazes de estimar quando a demência (principal sinal do Mal de Alzheimer) começaria, usando a qualidade do sono dos voluntários para prever o acúmulo de beta-amiloide no cérebro.

“Em vez de esperar que alguém desenvolva demência muitos anos depois, somos capazes de avaliar como a qualidade do sono prevê mudanças nas placas beta-amiloides. Com isso, podemos medir a rapidez com que essa proteína tóxica se acumula no cérebro ao longo do tempo”, afirma o pesquisador Joseph Winer, co-autor do estudo, também citado pelo The Sun.

Conforme o especialista, as descobertas poderão ajudar a criar maneiras de melhorar a qualidade do sono entre as pessoas com alto risco de apresentar Alzheimer.

“Nossa esperança é que, se intervirmos, após três ou quatro anos, o acúmulo de proteínas não será mais como pensávamos, porque melhoramos o sono deles”, completa Winer.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.