Casal americano morre de covid-19 com apenas 4 minutos de diferença

Eles sofreram com as consequências da infecção causada pelo novo coronavírus durante 30 dias, até falecerem juntos na sala da UTI

Casal americano morre de covid-19

Cathy Darlene Peoples e Johnny Lee Peoples eram casados há 47 anos e morreram com apenas quatro minutos de diferença em decorrência da covid-19 (Foto: Facebook/Shane Peoples/Reprodução)

A covid-19 vem causando diversos dramas familiares em todo o mundo. No início de setembro, um casal que estava junto há 48 anos morreu com apenas quatro minutos de diferença, de mãos dadas, num hospital em Salisbury, na Carolina do Norte (EUA).

A informação foi divulgada pela emissora local WBTV, que completa dizendo que o funeral deles foi realizado na última quarta (9/9).

“Eles estão casados há 48 anos e juntos há 50. Eles andaram de mãos dadas durante esses 50 anos”, comenta Shane Peoples, filho do casal, em entrevista à emissora americana.

A mãe e o pai dele – Johnny Lee Peoples, de 67 anos, e Cathy Darlene Peoples, de 65 – morreram de complicações decorrentes da infecção causada pelo novo coronavírus (SARS-CoV-2).

Isso marcou o fim de uma batalha de 30 dias após o casal ter contraído o vírus – segundo o filho, eles se abateram muito rapidamente.

Unidos no final da vida

Tudo começou com a mãe, que estava a poucos dias da aposentadoria. “Ela teve principalmente febre e perda de paladar. Meu pai começou a apresentar sintomas dois dias depois. Cerca de duas semanas depois, os dois foram internados na UTI. Tudo simplesmente deu errado, piorou”, conta Shane Peoples à WBTV.

E quando o fim estava próximo, de acordo com o americano, a equipe do hospital fez o que pôde para deixar os pais dele juntos.

“No dia seguinte, eles os colocaram na mesma sala da UTI, juntaram as mãos deles. E faleceram com quatro minutos de diferença de um para outro”, revela Peoples.

O funeral foi realizado ao ar livre, com distanciamento social, na manhã de quarta (9/9).

O filho diz à emissora que se há algo que sua família aprendeu com o ocorrido é que as pessoas precisam entender que, em alguns casos, a Covid-19 é uma assassina.

“Não é piada. Não é brincadeira. Eu simplesmente não quero que mais ninguém fique doente. Não quero que sintam a dor que estamos sentindo”, completa.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.