Britânico encontra criatura marinha raríssima numa praia

Conhecidos como pedunculatas, os crustáceos descobertos por Martyn Green, além de raros, são avaliados em R$ 350 mil

Video de pedunculata

Os crustáceos pedunculatas, ou percebes, são raríssimos e muito valorizados na Espanha e em Portugal (Foto: Facebook/martyn.green.904/Reprodução)

Imagine caminhar pela praia e encontrar, sem querer, frutos do mar raríssimos que são avaliados em milhares de reais?

Isso aconteceu com o britânico Martyn Green. Ele passeava com a família numa praia em New Brighton, no norte do País de Gales, quando encontraram o que parecia ser um grande pedaço de madeira.

Presas ao tronco estavam milhares de criaturas com tentáculos dentro de conchas, que Martyn diz ser diferente de tudo que já tinha visto antes, segundo comentou ao jornal Liverpool Echo no dia 6 de setembro.

“Minha esposa Gemma que encontrou. Estávamos passeando na praia e ela nos chamou e disse ‘volta, olha isso’. Fomos dar uma olhada e parecia algo que não era deste mundo. Foi demais e virou uma atração para os moradores locais”, conta Green ao jornal.

Confira o vídeo compartilhado por ele no Facebook:

O britânico, que tem 47 anos, disse ainda que seu filho Daniel pesquisou no Google sobre as curiosas criaturas marinhas e descobriu que eram crustáceos chamados pedunculatas (Pollicipes pollicipes) – espécie raríssima considerado uma iguaria, principalmente em Portugal e na Espanha, onde é conhecida como percebes.

“Acontece que eles são uma das criaturas marinhas mais caras que você pode comprar. Olhando no Google, acho que custa cerca de £25 [cerca de R$ 170] cada, e encontramos provavelmente umas duas mil delas”, afirma Martyn Green ao Liverpool Echo. Portanto, ele esbarrou em frutos do mar avaliados em R$ 350 mil.

De acordo com o jornal, o britânico que dirige uma agência de marketing não quis revelar a localização exata dos pedunculatas para evitar que oportunistas invadissem o local e os destruíssem.

Essa preocupação não é infundada. Como mostra o periódico, há relatos de pescadores na Galiza, nordeste da Espanha, que arriscam a vida para colher as criaturas e muitos grupos ilegais e violentos tentam roubá-los.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.