Robin Williams teve doença mental debilitante e não sabia

Segundo a viúva do comediante, ele sofria de demência por corpos de Lewy, que afeta os neurônios, e foi diagnosticado também com Mal de Parkinson

Robin Williams - YouTube

Segundo a mulher de Robin Williams, só depois da morte do ator é que ficou sabendo da doença cerebral dele (Foto: YouTube/AwardsShowNetwork/Reprodução)

O ator e comediante Robin Williams lutou contra os sintomas da demência por corpos de Lewy (proteínas que afetam os neurônios) antes de se suicidar em 2014.

Isso de acordo com depoimento de Susan Schneider Williams, viúva do artista, no documentário Robin’s Wish, que estreou no dia 1º de setembro na Amazon Prime Video.

Além da doença cerebral debilitante que afetava a estrela de filmes como Jumanji (1995), Patch Adams (1998) e Bom Dia Vietnã (1987), ele também foi diagnosticado com o Mal de Parkinson três meses antes de sua morte.

Vários problemas psicológicos

De acordo com a viúva de Robin Williams, o astro de Hollywood tinha um histórico de depressão e abuso de substâncias, havia experimentado a perda das funções motoras e cognitivas e era assombrado por insônia, paranoia e alucinações, que os médicos acreditavam ter sido causadas pelo Mal de Parkinson – mas o casal estava convencido de que pudesse ser esquizofrenia.

“Robin e eu sabíamos que havia muito mais coisas acontecendo. Ele estava certo quando me disse: ‘Só quero reiniciar meu cérebro’. Naquele momento, prometi a ele que descobriríamos tudo e só não sabia que seria depois que ele falecesse”, revela Susan Williams em entrevista para o programa de TV America’s Today Show no dia 1º.

Robin morreu aos 63 anos, e foi somente durante a autópsia que os legistas descobriram a verdade sobre sua condição neurológica, que havia devastado seu cérebro.

“Fui chamada para sentar e revisar o relatório do legista. Eles me disseram que essencialmente Robin morreu de demência por corpos de Lewy. Eles começaram a falar sobre a neurodegeneração. Ele não estava em seu juízo perfeito”, diz a viúva do comediante.

Assista ao trailer (em inglês) do documentário Robin’s Wish:

Perseguido por um “monstro”

Susan diz aos apresentadores que a descoberta da doença foi um “alívio”, pois o ator achava que estava sendo perseguido por um “monstro invisível”.

Nos meses que antecederam o suicídio de Robin Williams, os médicos sugeriram ao casal que dormisse em camas separadas para ajudar o artista a superar seus problemas de sono – mas isso só confundiu a cabeça do comediante, que pensou que estivesse se separando da mulher.

“Ele me disse: ‘Isso significa que estamos separados?’ E aquele foi um momento realmente chocante”, comenta Susan Williams no programa de TV.

Ela queria fez questão de compartilhar a história do marido no novo documentário para homenagear “o maior amor que já conheci, meu melhor amigo, meu parceiro” e aumentar a conscientização sobre a demência por corpos de Lewy.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

All Comments