4 benefícios do mirtilo

A frutinha azul é rica em antioxidantes e ajuda na saúde do coração, do cérebro e até para quem faz exercícios físicos

Mirtilos em close

O mirtilo, ou blueberry, é rico em antioxidantes, vitamina K e manganês, sabia? (Foto: Pexels)

Uma xícara de mirtilos frescos contém 85 calorias, um grama de proteína, zero gordura e cerca de 20 g de carboidratos, com cerca de quatro gramas de fibra, segundo a nutricionista e escritora americana Cynthia Sass, em artigo publicado em agosto no site da revista Health.

Essa mesma porção da fruta contém mais de 120 ml de água e quase um quarto da dose diária recomendada de vitamina C, que faz bem para a pele.

Os mirtilos contidos numa xícara também fornecem mais de um terço da dose diária de vitamina K, associada ao sistema esquelético, e um quarto de manganês. “Este nutriente também ajuda a manter os ossos fortes, além de promover a produção de colágeno para pele e articulações”, diz a especialista americana.

Poder antienvelhecimento e proteção doenças

A nutricionista lembra que entre as frutas e vegetais comumente consumidos, o mirtilo está entre os mais ricos em antioxidantes.

“Estudos já demonstraram que os antioxidantes do mirtilo reduzem a inflamação e o estresse oxidativo. Este ocorre quando há um desequilíbrio entre a produção de radicais livres que danificam as células e a capacidade do corpo de conter seus efeitos nocivos”, afirma Cynthia Sass no artigo.

Por isso, essas frutinhas azuladas estão ligadas à redução dos danos causados pelos radicais livres ao DNA e combatem o envelhecimento. “Além de reduzir o risco de várias doenças crônicas, incluindo obesidade, câncer e diabetes tipo 2”, completa a nutricionista.

Um estudo de 2018 publicado no periódico científico International Journal of Molecular Sciences, descobriu que o mirtilo pode ser uma das melhores “superfrutas”, devido à atividade protetora de seus antioxidantes antocianinas e polifenóis.

Ajuda a saúde do coração

De acordo com o Ministério da Saúde, cerca de 300 mil brasileiros sofrem com problemas cardíacos e as mortes decorrentes das cardiopatias chegam a duas por minuto.

“Devido à sua capacidade de reduzir a inflamação e o estresse oxidativo, os mirtilos protegem contra o endurecimento das artérias, uma condição que aumenta o risco de ataque cardíaco e derrame”, diz Cynthia Sass.

Um estudo publicado em 2019 no periódico científico PubMed comparou os efeitos do consumo de uma xícara de mirtilo por dia em homens com síndrome metabólica com um grupo de controle que recebeu apenas placebo.

Após seis meses, quem consumiu a fruta apresentou melhorias na função arterial, incluindo redução da rigidez, bem como mudanças positivas nos perfis de colesterol.

Os resultados levaram os cientistas a concluir que os mirtilos deveriam ser incluídos nas dietas para redução do risco de doenças cardíacas.

Vale também consumir o mirtilo em forma de smoothie (vitamina) (Foto: Pexels)

Melhora a função cerebral

Outro benefício do consumo de mirtilo diz respeito às funções cerebrais.

Um estudo de revisão, publicado em 2019 também no PubMed, avaliou 11 pesquisas que relacionavam a fruta ao desempenho cognitivo. “A revisão descobriu que os mirtilos melhoraram a memória e a função executiva [comportamental] em crianças. A fruta também protege a memória, a função executiva e a psicomotora em adultos mais velhos saudáveis e adultos com comprometimento cognitivo leve”, afirma a especialista americana no artigo da Health.

As frutinhas também foram avaliadas por um estudo de 2012, publicado no periódico científico Annals of Neurology, que acompanhou por 20 anos mais de 16 mil idosos. “Aqueles que comeram mais mirtilos e morangos experimentaram as taxas mais lentas de declínio cognitivo”, esclarece Cynthia Sass.

Mirtilos ajudam na recuperação muscular

O desgaste causado aos músculos durante o exercício desencadeia o dano muscular induzido pelo exercício. “O efeito pode resultar em dor muscular aumentada, força muscular reduzida e desempenho atlético prejudicado. No entanto, o que os atletas comem antes e/ou após o exercício pode potencialmente compensar esse problema”, diz a nutricionista e escritora.

Um estudo de 2012, publicado no periódico científico Journal of The International Society of Sports Nutrition, fez com que um grupo de atletas mulheres consumissem uma vitamina de mirtilo 10 horas antes e 12 e 36 horas após o dano muscular induzido pelo exercício.

O grupo de controle, formado também por mulheres atletas, recebeu uma bebida placebo semelhante, com poder antioxidante, nos mesmos prazos.

“Os pesquisadores descobriram uma taxa mais rápida de recuperação da força muscular no grupo que recebeu mirtilo. O resultado levou os cientistas a concluir que o consumo de mirtilo desencadeia eventos adaptativos no corpo que aceleram a reparação muscular”, esclarece Cynthia Sass no artigo.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.