Vacina intranasal contra Covid-19 apresenta ótimo resultado em teste com ratos

Imunizante evitou que o novo coronavírus causasse infecção nas cobaias, atuando diretamente no nariz, que costuma ser o ponto de partida da doença

Laboratório de pesquisa

Cientistas americanos desenvolveram uma vacina intranasal contra a Covid-19 que deu ótimo resultado em cobaias (Foto: Pixabay)

Boa notícia em meio à pandemia causada pelo novo coronavírus (SARS-CoV-2): cientistas da Escola de Medicina da Universidade de Washington, nos Estados Unidos, desenvolveram uma vacina intranasal eficaz na prevenção da Covid-19 em ratos.

Agora, pesquisadores planejam testar a vacina em primatas para, em seguida, realizar teste de eficácia do imunizante em humanos.

O estudo da vacina intranasal foi publicado na revista científica Cell, no dia 11 de agosto.

Método diferente de imunização

Ao contrário de outras vacinas que estão sendo desenvolvidas contra a Covid-19, como a da Universidade de Oxford, na Inglaterra, que está sendo testada no Brasil, a nova é administrada pelo nariz, geralmente o local inicial da infecção.

No novo estudo, os cientistas descobriram que o imunizante intranasal criou uma forte resposta imunológica em todo o organismo das cobaias, mas foi particularmente eficaz no nariz e no trato respiratório, evitando que a infecção se espalhasse.

“Ficamos felizes ao ver uma forte resposta imunológica nas células do revestimento interno do nariz e das vias aéreas superiores. E uma proteção profunda contra a infecção por esse vírus”, afirma Michael S. Diamond, um dos autores da pesquisa, em entrevista para o site Medical Xpress.

De acordo com o especialista, alguns ratos apresentaram evidências de imunidade esterilizante, ou seja, quando não há sinal de infecção depois que o animal é exposto ao vírus ativo.

Desenvolvimento da vacina intranasal

No imunizante que é injetado nas vias aéreas, os pesquisadores utilizaram a proteína spike do SARS-CoV-2 (que ele usa para invadir as células do hospedeiro) dentro de um adenovírus – causador do resfriado comum.

Mas os cientistas fizeram com que o adenovírus fosse incapaz de causar doenças. Com isso, ao ser inserido no nariz da cobaia, o micro-organismo inofensivo carregando a proteína do coronavírus fez com que o organismo criasse uma defesa imunológica contra o causador da Covid-19, sem gerar sintomas.

“Os adenovírus são a base para muitas vacinas experimentais para Covid-19 e outras doenças infecciosas, como o ebola e a tuberculose. Eles apresentam bons registros de segurança e eficácia, mas pouca pesquisa foi feita com a aplicação nasal”, comenta David T. Curiel, co-autor da pesquisa publicada na Cell, também ao Medical Xpress.

Teste também com injeção muscular

No estudo da Universidade de Washington, os cientistas administraram aos camundongos o imunizante no nariz e também uma injeção intramuscular.

Como mostra o artigo recém-publicado, embora a injeção tenha induzido uma resposta imunológica que preveniu a pneumonia, ela não foi capaz de evitar infecções no nariz e nos pulmões. Ela pode reduzir a gravidade da Covid-19, mas não bloqueia totalmente a infecção ou impede que os indivíduos infectados espalhem o vírus.

Em contraste, a vacina intranasal evitou infecção tanto no trato respiratório superior quanto no inferior – nariz e pulmões –, sugerindo que indivíduos vacinados não espalhariam o vírus ou desenvolveriam infecções em outras partes do corpo.

“Em breve começaremos um estudo para testar a vacina intranasal em primatas com um plano de passar para testes clínicos em humanos o mais rápido possível. Nos modelos com cobaias, a vacina se mostrou altamente protetora. Estamos ansiosos para começar a próxima rodada de estudos”, diz Michael S. Diamond ao site.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.