Comer muito açúcar pode afetar a eficiência do exercício aeróbico

Pesquisadores americanos descobriram que a hiperglicemia impede a melhoria da capacidade respiratória em quem pratica atividades aeróbicas

Ciclista

Atividade aeróbica, como o ciclismo, pode não surtir o efeito desejado em quem sofre com hiperglicemia (Foto: Pixabay)

Praticar exercícios aeróbicos, como natação e caminhada, oferece vários benefícios à saúde, aumentando a capacidade respiratória.

Médicos costumam recomendar essa forma de atividade física para quem tem diabetes. Porém, muitos diabéticos não conseguem melhorar a função aeróbica e isso sempre foi um “mistério” para os cientistas.

Agora, um estudo realizado pela Faculdade de Medicina de Harvard, nos Estados Unidos, descobriu como a hiperglicemia (altos níveis de açúcar no sangue) impede que uma pessoa aumente sua capacidade respiratória.

Estudo com cobaias hiperglicêmicas

Os pesquisadores americanos observaram a redução do efeito do exercício aeróbico quando os níveis de açúcar no sangue de camundongos estavam dentro da faixa considerada pré-diabetes.

“A ideia por trás do estudo foi ver se ao induzir alto nível de açúcar no sangue de ratos, prejudicaríamos sua capacidade de melhorar a aptidão aeróbica”, afirma Sarah Lessard, uma das autoras do estudo, publicado na revista científica Nature Metabolism no dia 20 de julho, em entrevista para o site da Universidade de Harvard.

Ao entender os mecanismos que causam esse efeito do excesso de açúcar no sangue, é possível buscar novas maneiras de ajudar as pessoas com hiperglicemia a melhorar o condicionamento físico, comenta a pesquisadora.

O estudo dividiu as cobaias em três grupos: um recebeu uma dieta rica em açúcar e gordura saturada; o segundo foi alimentado com menos açúcar e gordura; o terceiro, de controle, manteve uma dieta saudável.

O primeiro grupo de ratos ganhou peso e se tornou hiperglicêmico. O segundo, apesar de não ficar obeso, sofreu com a menor produção de insulina e acabou tendo hiperglicemia.

Todas as cobaias fizeram exercícios aeróbicos, percorrendo cerca de 500 quilômetros ao longo do estudo.

Efeito do excesso do açúcar

Em comparação com o grupo de controle, que apresentava níveis mais baixos de açúcar no sangue, os camundongos hiperglicêmicos não conseguiram melhorar a capacidade respiratória de forma significativa.

De acordo com os cientistas da Faculdade de Medicina de Harvard, os dois grupos apresentaram o problema devido ao nível de açúcar no sangue e não como resultado da obesidade ou dos efeitos da insulina.

Sarah Lessard lembra que os tecidos musculares normalmente mudam como resultado do exercício aeróbico, e as fibras se tornam mais eficientes no uso de oxigênio. “Também cultivamos novos vasos sanguíneos para permitir que mais oxigênio seja entregue ao músculo, o que ajuda a aumentar nossos níveis de condicionamento aeróbico”, completa.

No entanto, os pesquisadores não viram essa adaptação muscular nos camundongos hiperglicêmicos.

Eles sugerem que altos níveis de açúcar interrompem a remodelação muscular, alterando proteínas no espaço entre as células musculares, onde novos vasos sanguíneos normalmente se formariam.

Hiperglicemia em humanos

A equipe de Harvard realizou testes clínicos em humanos e encontrou resultados semelhantes. Eles também identificaram um grupo para quem o problema era particularmente grave.

Os pesquisadores observaram que indivíduos com tolerância diminuída à glicose (seus níveis de açúcar no sangue aumentam com o consumo de açúcar) apresentaram melhoria reduzida na capacidade aeróbica.

Isso ocorreu, pelo menos em parte, devido ao mau funcionamento da proteína chamada jun n-terminal kinase (JNK), que faz com que o músculo reaja a um tipo específico de exercício.

“Observando como os músculos reagiram a um único exercício aeróbico típico, também vimos que aqueles com menor tolerância à glicose tiveram a maior ativação da JNK, bloqueando as adaptações aeróbicas”, esclarece Lessard ao site da universidade.

Recomendações aos hiperglicêmicos

O estudo mostra que a relação entre dieta e exercícios físicos é ainda mais significativa do que se imaginava e recomenda que indivíduos com hiperglicemia devem repensar o consumo de carboidratos.

Vale dizer que os medicamentos recomendados para o diabetes ajudar no controle do nível de açúcar no sangue, aumentando, portanto, a eficiência das atividades aeróbicas.

“O exercício aeróbico regular ainda é uma recomendação essencial para manter a saúde em pessoas com ou sem hiperglicemia”, alerta Sarah Lessard.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.